DÚVIDA - Óleo Lubrificante em motor novo

Sobre o motor e suas partes internas (pistões, bielas, válvulas, etc).
Avatar do usuário
Felipe Lichirgu
Membro GL (Ní­vel 2)
Mensagens: 137
Registrado em: 20 Jan 2013, 00:45
Cidade: Curitiba
Estado: Paraná-PR
Modelo: Monza SLE
Motor: 2.0
Ano: 1993
Combustível:: Gasolina
Injeção: EFi

DÚVIDA - Óleo Lubrificante em motor novo

Mensagem não lida por Felipe Lichirgu »

Pessoal, boa noite.


Bom, estou num dilema acerca do que utilizar, de óleo lubrificante, no motor do meu Monza bordô.

Devido a idade do motor (era STD e com muitos milhares de km rodados) e ao surgimento de uma folga na biela do 1º cilindro, recentemente, resolvi por mandar retificar o motor completo (cabeçote e bloco), vindo a substituir todas as peças móveis do motor (pistões, bronzinas, etc) por originais GM, sem exceções.

O motor ficou na seguinte configuração:

1) Virabrequim -- 0,25 (munhões e moentes)
2) Cilindros -- 0,50
3) Plaina na face do bloco -- tirou 0,25
4) Cabeçote -- é convencional (alto atrito) original GM; altura ficou STD (não tinha empenos, nem corrosões)
5) Atualizei o cavalete do termostato para um novo de Nylon do motor N20XF
6) Bomba de óleo original GM (praticamente nova, com pouco uso).

Observação-1: Encaminhei o motor para retífica para o serviço de usinagem, obviamente, pois sou eu mesmo que desmontei e irei montar. Prefiro assim, pois sou muito detalhista e o meu nível de exigência é muito elevado, principalmente se tratando dos Monzas, que estão em minha garagem.

Observação-2: Uma coisa que me chamou a atenção foi a elevada carbonização presente dentro do motor, mesmo sempre realizando as trocas de óleo, e filtro, religiosamente a cada 6 meses ou 3 meses, ou, no máximo, em 4000 km. Sempre utilizei óleo mineral SAE 20W50, pois o carro está na minha casa quase desde zero km.

Observação-3: O motor dele é a gasolina.

Diante de tudo isso, pensei na possibilidade de atualizar o óleo lubrificante a ser utilizado nesse motor, partindo para algo de base sintética (semi ou sintético). Sabemos que as viscosidades indicadas no manual do proprietário vão de SAE15W40 à SAE20W50. Considerando na época a inexistência da variedade de lubrificantes que temos atualmente.

A minha dúvida é a seguinte: como estou com um motor novo (com as folgas bem ajustadas), posso utilizar um lubrificante SAE 5W40 (sintético), ou 10W40 (semi sintético), ou devo seguir rigorosamente a recomendação do manual do proprietário, ficando entre o 15W40 ao 20W50?


Penso e percebo que o óleo 20W50 possui uma certa dificuldade a atingir pressão normal de trabalho, a frio, comparado aos de menor viscosidade. Em paralelo, sei que não pode-se desprezar a calibração dos dutos de lubrificação do motor. Li aqui no fórum, em alguns tópicos, menções de que os cabeçotes GM teriam os dutos de lubrificação menores que os FGP (convencionais).

Esse carro sempre usou o 20W50, desde novo, e poucas vezes tive problemas com batidas de tuchos hidraulicos e a luz de advertência de baixa pressão do óleo, sempre se apagou imediatamente. É só uma questão de querer atualizar o lubrificante da criança! :lol:
FelipeLichirgu

Avatar do usuário
dutra s a
Membro Classic SE (Ní­vel 8)
Mensagens: 2158
Registrado em: 29 Abr 2010, 23:31
Cidade: SP
Estado: São Paulo-SP
Modelo: Monza GLS
Motor: 2.0
Ano: 1994
Combustível:: Etanol
Injeção: EFi

Re: DÚVIDA - Óleo Lubrificante em motor novo

Mensagem não lida por dutra s a »

Eu fiquei confuso, pois uso o GM N20XF (bloco FGP) e lembro que quem recomendou afirmou que o sistema de dutos eram maiores ou só melhorados que os convencionais GM e, quando troquei não conferi, só não lembro se era apenas dutos de óleo ou apenas água ou os dois, mas sei que possui mais facilidade para atingir cabeçote e parcial mesmo porquê, é óleo 5W30 Mobil.

Eu em particular na sua condição continuaria com mineral 20W50 mais um condicionador, pois não sei se o óleo semi ou 100% sintético no seu motor iria ficar bom, uma vez que seus componentes foram feitos para trabalhar com óleo mineral.

abs estamos ai
CAÇA 94-2013 GLS F-14. 18WR+ ETANOL X 2.0 E.F.I. - DCR

arnaldo silva
Membro SR (Ní­vel 4)
Mensagens: 308
Registrado em: 06 Abr 2012, 20:59
Cidade: Atibaia
Estado: São Paulo-SP
Modelo: Monza Classic SE
Motor: 2.0
Ano: 1989
Combustível:: Etanol
Injeção: MPFi

Re: DÚVIDA - Óleo Lubrificante em motor novo

Mensagem não lida por arnaldo silva »

Felipe Lichirgu escreveu:
08 Set 2020, 20:45
Pessoal, boa noite.


Bom, estou num dilema acerca do que utilizar, de óleo lubrificante, no motor do meu Monza bordô.

Devido a idade do motor (era STD e com muitos milhares de km rodados) e ao surgimento de uma folga na biela do 1º cilindro, recentemente, resolvi por mandar retificar o motor completo (cabeçote e bloco), vindo a substituir todas as peças móveis do motor (pistões, bronzinas, etc) por originais GM, sem exceções.

O motor ficou na seguinte configuração:

1) Virabrequim -- 0,25 (munhões e moentes)
2) Cilindros -- 0,50
3) Plaina na face do bloco -- tirou 0,25
4) Cabeçote -- é convencional (alto atrito) original GM; altura ficou STD (não tinha empenos, nem corrosões)
5) Atualizei o cavalete do termostato para um novo de Nylon do motor N20XF
6) Bomba de óleo original GM (praticamente nova, com pouco uso).

Observação-1: Encaminhei o motor para retífica para o serviço de usinagem, obviamente, pois sou eu mesmo que desmontei e irei montar. Prefiro assim, pois sou muito detalhista e o meu nível de exigência é muito elevado, principalmente se tratando dos Monzas, que estão em minha garagem.

Observação-2: Uma coisa que me chamou a atenção foi a elevada carbonização presente dentro do motor, mesmo sempre realizando as trocas de óleo, e filtro, religiosamente a cada 6 meses ou 3 meses, ou, no máximo, em 4000 km. Sempre utilizei óleo mineral SAE 20W50, pois o carro está na minha casa quase desde zero km.

Observação-3: O motor dele é a gasolina.

Diante de tudo isso, pensei na possibilidade de atualizar o óleo lubrificante a ser utilizado nesse motor, partindo para algo de base sintética (semi ou sintético). Sabemos que as viscosidades indicadas no manual do proprietário vão de SAE15W40 à SAE20W50. Considerando na época a inexistência da variedade de lubrificantes que temos atualmente.

A minha dúvida é a seguinte: como estou com um motor novo (com as folgas bem ajustadas), posso utilizar um lubrificante SAE 5W40 (sintético), ou 10W40 (semi sintético), ou devo seguir rigorosamente a recomendação do manual do proprietário, ficando entre o 15W40 ao 20W50?


Penso e percebo que o óleo 20W50 possui uma certa dificuldade a atingir pressão normal de trabalho, a frio, comparado aos de menor viscosidade. Em paralelo, sei que não pode-se desprezar a calibração dos dutos de lubrificação do motor. Li aqui no fórum, em alguns tópicos, menções de que os cabeçotes GM teriam os dutos de lubrificação menores que os FGP (convencionais).

Esse carro sempre usou o 20W50, desde novo, e poucas vezes tive problemas com batidas de tuchos hidraulicos e a luz de advertência de baixa pressão do óleo, sempre se apagou imediatamente. É só uma questão de querer atualizar o lubrificante da criança! :lol:
Se o motor é novo, pode usar um semi sintético 15/40. Só não pode misturar mineral e sintético ... óleo mineral é do tempo do "onça" . Desde que fiz o motor do tubarão, comecei usar mobil semi sintético 15w40.
Classic se 2.0 prata automático; MPFI com injeção programável; etanol; freio a disco traseiro e rodas 16, painel digital.
Tubarão azul gls 95 álcool

arnaldo silva
Membro SR (Ní­vel 4)
Mensagens: 308
Registrado em: 06 Abr 2012, 20:59
Cidade: Atibaia
Estado: São Paulo-SP
Modelo: Monza Classic SE
Motor: 2.0
Ano: 1989
Combustível:: Etanol
Injeção: MPFi

Re: DÚVIDA - Óleo Lubrificante em motor novo

Mensagem não lida por arnaldo silva »

Felipe Lichirgu escreveu:
08 Set 2020, 20:45
Pessoal, boa noite.


Bom, estou num dilema acerca do que utilizar, de óleo lubrificante, no motor do meu Monza bordô.

Devido a idade do motor (era STD e com muitos milhares de km rodados) e ao surgimento de uma folga na biela do 1º cilindro, recentemente, resolvi por mandar retificar o motor completo (cabeçote e bloco), vindo a substituir todas as peças móveis do motor (pistões, bronzinas, etc) por originais GM, sem exceções.

O motor ficou na seguinte configuração:

1) Virabrequim -- 0,25 (munhões e moentes)
2) Cilindros -- 0,50
3) Plaina na face do bloco -- tirou 0,25
4) Cabeçote -- é convencional (alto atrito) original GM; altura ficou STD (não tinha empenos, nem corrosões)
5) Atualizei o cavalete do termostato para um novo de Nylon do motor N20XF
6) Bomba de óleo original GM (praticamente nova, com pouco uso).

Observação-1: Encaminhei o motor para retífica para o serviço de usinagem, obviamente, pois sou eu mesmo que desmontei e irei montar. Prefiro assim, pois sou muito detalhista e o meu nível de exigência é muito elevado, principalmente se tratando dos Monzas, que estão em minha garagem.

Observação-2: Uma coisa que me chamou a atenção foi a elevada carbonização presente dentro do motor, mesmo sempre realizando as trocas de óleo, e filtro, religiosamente a cada 6 meses ou 3 meses, ou, no máximo, em 4000 km. Sempre utilizei óleo mineral SAE 20W50, pois o carro está na minha casa quase desde zero km.

Observação-3: O motor dele é a gasolina.

Diante de tudo isso, pensei na possibilidade de atualizar o óleo lubrificante a ser utilizado nesse motor, partindo para algo de base sintética (semi ou sintético). Sabemos que as viscosidades indicadas no manual do proprietário vão de SAE15W40 à SAE20W50. Considerando na época a inexistência da variedade de lubrificantes que temos atualmente.

A minha dúvida é a seguinte: como estou com um motor novo (com as folgas bem ajustadas), posso utilizar um lubrificante SAE 5W40 (sintético), ou 10W40 (semi sintético), ou devo seguir rigorosamente a recomendação do manual do proprietário, ficando entre o 15W40 ao 20W50?


Penso e percebo que o óleo 20W50 possui uma certa dificuldade a atingir pressão normal de trabalho, a frio, comparado aos de menor viscosidade. Em paralelo, sei que não pode-se desprezar a calibração dos dutos de lubrificação do motor. Li aqui no fórum, em alguns tópicos, menções de que os cabeçotes GM teriam os dutos de lubrificação menores que os FGP (convencionais).

Esse carro sempre usou o 20W50, desde novo, e poucas vezes tive problemas com batidas de tuchos hidraulicos e a luz de advertência de baixa pressão do óleo, sempre se apagou imediatamente. É só uma questão de querer atualizar o lubrificante da criança! :lol:
Vamos repassar as diferenças entre óleo sintético e mineral, então:

O óleo mineral foi refinado do petróleo, ainda contendo impurezas. O sintético é feito a partir de bases sintéticas e aditivos e não apresenta impurezas.
O óleo sintético apresenta melhor durabilidade e desempenho, mas é mais caro do que o óleo mineral.
O óleo mineral atende às necessidades de carros antigos, e o sintético é mais indicado para os modernos.
O óleo sintético funciona bem em situações severas de uso, enquanto o mineral não é ideal nesses cenários
O óleo sintético forma menos borra que o mineral
https://blog.texaco.com.br/havoline/ole ... u-mineral/
Classic se 2.0 prata automático; MPFI com injeção programável; etanol; freio a disco traseiro e rodas 16, painel digital.
Tubarão azul gls 95 álcool

Avatar do usuário
LeoStrop
Membro GL (Ní­vel 2)
Mensagens: 98
Registrado em: 02 Jul 2018, 18:32
Cidade: Paraty
Estado: Rio de Janeiro-RJ
Modelo: Não tenho Monza :(
Motor: 1.8
Ano: 1994
Combustível:: Etanol
Injeção: EFi

Re: DÚVIDA - Óleo Lubrificante em motor novo

Mensagem não lida por LeoStrop »

Felipe Lichirgu escreveu:
08 Set 2020, 20:45
Pessoal, boa noite.


Bom, estou num dilema acerca do que utilizar, de óleo lubrificante, no motor do meu Monza bordô...

Então Felipe, existem algumas diferenças a serem levadas em conta entre o 5W40 sintético e o 15W40 ou 20W50 minerais.

Vamos comparar o 5W40 com 15W40. Ambos tem a mesma viscosidade a 100°C, ou pelo menos devem estar dentro do permitido pelo norma SAE J300, que para um "40" deve estar entre 12,5 a 16,3 cSt. Porém, a viscosidade a 40°C, ou seja , a viscosidade a "frio" (5W, 10W, 15W....) vai ser bem diferente, devido as diferentes classificações 5W x 15W.

Imagem

Então, o óleo base do 15W40 é naturalmente mais grosso do que o 5W40, mesmo os dois tendo a mesma viscosidade a onde realmente importa: com o motor em temperatura de trabalho a 100°C. Como essa diferença é obtida entre esses dois lubrificantes?

Geralmente o 5W40 se inicia com um óleo base mais fino, pois esse lubrificante deve atender as exigências de simulação de partida a frio para temperaturas mais baixas, próximas ou menores que 0°C.

Já o 15W, pode ser utilizado um óleo base mais grosso, pois este não precisa atender a temperaturas tão baixas na partida a frio.

Como a tendência de todo óleo é ficar mais fino com o aumento da temperatura, o óleo base menos viscoso do 5W tende a se afinar mais. Para que isso não ocorra, ou para que esse efeito seja minimizado, são utilizados aditivos tipo polímeros que funcionam como uma mola que se expande no lubrificante, impedindo que este fique tão fino, quando esquenta. Isso também é utilizado no 15W40 ou qualquer outro multiviscoso, porém com menor intensidade devido ao 15W já ser naturalmente mais viscoso.

Essa diferença pode levar a uma pressão de óleo um pouco menor se utilizar o 5W40. Dependendo do caso, pode não ser um problema ou mesmo ruim, pois uma pressão muito elevada também não é legal. Uma medida bem proporcional a pressão de óleo não é só a viscosidade, mas sim a medida da última coluna da tabela acima: "Hi-temp Hi-Shear' ou HTHS. Note que para os 0W a 10W40 o limite minimo é 3,5. Já para os 15W a 25W40 esse limite é 3,7. Um óleo com HTHS maior tende a proteger mais o motor (claro que tudo tem um limite para cada aplicação) e manter uma melhor pressão de óleo.

Outro problema é que esses polímeros tendem a se quebrar, e o lubrificante perder viscosidade. É quase certo que se utilizar um 5W40 ou 0W40, a maioria deles perde viscosidade e se "transforma" em um 5W30 ao final do intervalo de troca, principalmente em motores que giram muito. Esse efeito de perda de viscosidade é bem menor em um 15W40.

Um lubrificante de base sintética tende a suportar maior calor sem se oxidar tão facilmente, comparado a bases minerais. E também se comporta melhor em baixas temperaturas (por isso que óleos sintéticos geralmente são 0W e 5W, e os minerais, 15W e 20W). Se o seu motor não é utilizado em frios extremos ou é um motor que geralmente trabalha com uma temperatura de óleo muito alta, um mineral de boa qualidade já lhe atende muito bem.

A diferença de tempo de troca de óleo não é só relacionada ao tipo de lubrificante (sintético ou mineral), e sim também ao numero de basicidade do óleo, que é o indicador de quanto tempo e força esse lubrificante tende a resistir a oxidação e outros desgastes. Tem óleos 10W30 que devem ser trocados a cada 5mil km e outros que podem ser trocados a cada 10 mil km, depende de sua aplicação e aditivos.

Pra mim, eu esqueceria o 10W40 ou 20W50. Se quiser utilizar o sintético, vá de 5W40 que tenha as aprovações Porsche A40 , MB 229.3 ou 229.5 (aprovação da Mercedes Benz) e ACEA A3/B4 , geralmente são os que possuem as melhores bases sintéticas e carga de aditivos.

Uma boa opção:

https://www.altese.com.br/213323-altese-oleo-total/p

Agora se quiser ir de 15W40, eu utilizo no meu Kadett o Shell Rimula RT4X, que é para motores Diesel de trabalho pesado. Esses lubrificantes geralmente são um passo acima dos 15W40 API SL tradicionais, e possuem várias aprovações de montadoras. Eles possuem uma maior carga de aditivos e um numero de basicidade bem alto, resistindo bastante ao desgaste.

A questão de manter o lubrificante em boas condições também é o trabalho do condutor. Nenhum lubrificante trabalha bem a frio, então, usar o carro em curtas distancias sem deixar o motor atingir a temperatura de trabalho ideal, é um dos fatores que acaba com o óleo e deixa o motor mais sujo. Gasolina de baixa qualidade e um motor que roda muito rico, também são outros fatores.

Desculpa pela mensagem tão grande, mas lubrificante não é algo tão simples, porém para o consumidor não é tão complicado. Usar o que foi recomendado e com o maior nível de aprovações, é sempre a melhor escolha.

Espero ter ajudado!

Responder