RESISTÊNCIA DOS CABOS DE VELAS E DAS VELAS DE IGNIÇÃO “ATUALIZAÇÃO”

Tem alguma dica sobre manutenção? Divulgue! Leia e mantenha seu Monza em dia!
Avatar do usuário
waldir
Membro 500EF (Ní­vel 9)
Mensagens: 3640
Registrado em: 18 Mai 2008, 09:19
Cidade: Campinas
Estado: São Paulo-SP
Modelo: Monza GLS
Motor: 2.0
Ano: 1995
Combustível:: Etanol
Injeção: EFi

RESISTÊNCIA DOS CABOS DE VELAS E DAS VELAS DE IGNIÇÃO “ATUALIZAÇÃO”

Mensagem não lida por waldir »

RESISTÊNCIA DOS CABOS DE VELAS E DAS VELAS DE IGNIÇÃO “ATUALIZAÇÃO”

Reeditado em virtude das fotos armazenadas no ImageShack e Tinypic não serem mais gratuitas e uma série delas se tornaram indisponíveis para veiculação automática nas matérias que emiti aqui nos Monzeiros

Matéria original : viewtopic.php?f=15&t=28746

A função dos cabos de vela é a transmissão da alta tensão (12.000 À 30.000 Volts) produzido na bobina de ignição para as velas do motor.
Observo que no lançamento do Monza em 1982 não tinha a tecnologia de velas como a Grove/Bosch( 'V' invertido e no eletrodo massa) e o Green Plug/NGK 'V' no eletrodo central o que desloca a faisca para a lateral melhorando a ignição.

Imagem

então o Gap recomendado era de 1,1 mm o que forçava a bobina de ignição conforme gráfico que segue

Imagem

Qualquer anomalia em um dos cabos poderá provocar:

- Consumo elevado
- Dificuldade de partida;
- Falhas no funcionamento do motor;

Devido à alta tensão os cabos precisam ser resistivos para evitar ‘vazamento’ de alta frequência que pode interferir nos aparelhos eletrônicos do veículo, inclusive na UCE.

Para evitar isso há duas formas: terminais supressivos e ou cabos supressivos através de uma espiral de fio de níquel cromo fininho ao longo de todo o cabo.

Imagem

O valor da resistência formada pelo níquel cromo, segundo a norma NBR 6880 é de 6 a 10 K ohms por metro.

A NGK indica para os cabos CS uma resistência de 7,5 K ohms por metro +/- 40%, significando o que segue:
7,5 x 1.4 = 10,5 K ohms (mais 40%)
7,5 x 0,6 = 4,5 K ohms (menos 40%)

Ou seja, 4,5 K a 10,5 K ohms por metro

A BOSCH indica para os cabos CS uma resistência de 9 a 23K ohms por metro

Imagem

Calculando a resistência do cabo da Bobina de Ignição ao Distribuidor

Imagem

Com um multímetro na escala de 20K ohms meça os cabos conforme figura

Imagem

Se o resultado for igual a 1 significa que o cabo está com alta resistência acima dos 20K deve ser substituído.

Cabos trincados e ressecados devem ser substituídos.

Cabos de Vela NGK CS G65 Novos que eu medi apresentaram as seguintes resistências:

C. da bobina = 1,54;
1º cil = 4,87;
2º cil = 4,53;
3º cil = 3,21 e
4º cil = 2,53 K

Imagem

Imagem

ATENÇÃO: A medição é feita no eletrodo central.
A caneta do multímetro não deve encostar no eletrodo massa onde é descarregada a faísca.

Imagem

VELAS NOVAS na caixa que eu medi apresentaram as seguintes resistências:

NGK = 4,36; 4,53; 4,60; 4,45 K
BOSCH = 5,05; 4,99; 7,79; 7,59 K

Se eu optasse por usar as velas Bosch eu formaria par com os cabos de menor resistência, isto é, com os cabos do 4º e 3º cilindros respectivamente 7,79K + C 2,53K; V 7,59K + C 3,21
Esse cuidado seria quase um preciosismo, mas, equilibraria a resistência em torno de 10K para cada cilindro.


Hoje 09.09.19 Corrigindo a bobagem que escrevi acima de formar um par de menor resistência. Pesquisando mais a fundo sobre a resistência dos cabos de velas, aprendi que a resistência normatizada pela NBR 6880 de 6,0 à 10 K ohms por metro é o mínimo aceitável para os cabos de velas e que deve conter possível 'vazamento' de alta tensão vindo da bobina de ignição até a temperatura de 150º C que poderia chegar próximo ao coletor de exaustão. Então a resistência do cabo entrega a tensão limpa vinda da bobina de ignição se não houver danos/ oxidação nos terminais e quebra no fio interno do cabo. Resumindo é resistência à fuga de tensão.
Porém a resistência das velas são importantes e não devem ser altas. Precisam estar entre 3,0 K ohms à 9,0 K ohms


Imagem

Experiência que tive: vide tópico viewtopic.php?f=15&t=28746#p373812

Re: RESISTÊNCIA DOS CABOS DE VELAS E DAS VELAS

Mensagem por waldir » Ter, 03/06/2014 - 15:31 PM
Amigos,

Desde a semana passada tenho sentido cheiro de álcool pelo escapamento.
Poderia ser mistura rica, mas não mexi no potenciômetro do CO ainda está em 1,52 VDC

Juntamente com isso tenho percebido que o PTC (AQUECEDOR DO COLETOR DE ADMISSÃO)tem ficado ligado de 10 a 12 min,
isto significa que o líquido de arrefecimento está demorando para atingir 83ºC

Hoje resolvi buscar pelo defeito.
Imaginei que a VT está travando um pouquinho aberta. Tenho nos meus guardados uma Wahler usada que troquei por trocar (prevenção ...) coloquei a dita cuja.

Aproveitando o motor frio fui verificando as velas Bosch que coloquei em 04.12.13 (há 6 meses)

Medi a do 1º cilindro resistência 5,05 K
Medi a do 2º cilindro resistência 5,00 K
Medi a do 3º cilindro resistência 19,80K
Medi a do 4º cilindro resistência 7,71 K

Por achar essa discrepância optei por não checar a resistência dos cabos de vela.

Decepção, a vela Bosch aumentou demais a resistência e isto significa menor poder de 'faíscamento' e combustível sem queimar.

Como tinha um jogo novo de velas NGK green plug, substituí todas.

Por ter trocado a VT vou ficar sem saber corretamente se o atraso no aquecimento era a VT ou o motor funcionando com 3 velas e meia ?
Estou inclinado ao poder de fogo a menor que não transferia calor (70%) para o liquido de arrefecimento.

O PTC voltou a desligar com 7 minutos (no trajeto que faço) por observação do led piloto que instalei quando restabeleci o funcionamento há alguns anos.

A VT que tirei, vou dar uma limpada e guardar para qualquer eventualidade. Mas, vou também comprar uma nova da Wahler e deixar de espera, além de mais um jogo de velas. 14.01.2016

Atualizado em 08.09.2019
waldir
Editado pela última vez por waldir em 09 Set 2019, 21:08, em um total de 3 vezes.
MONZA - GLS 95 2.0 EFI - Alcool - Vermelho Goya

Avatar do usuário
Luiz Carlos (Rio)
Membro 500EF (Ní­vel 9)
Mensagens: 4041
Registrado em: 15 Dez 2006, 11:22
Cidade: Rio de Janeiro
Estado: Rio de Janeiro-RJ
Modelo: Monza GLS
Motor: 2.0
Ano: 1994
Combustível:: Gasolina
Injeção: EFi

Re: RESISTÊNCIA DOS CABOS DE VELAS E DAS VELAS DE IGNIÇÃO “ATUALIZAÇÃO”

Mensagem não lida por Luiz Carlos (Rio) »

Waldir

Permita-me fazer um alerta para quem comprar kit de cabos da Magnetti Mareli. A resistência deles é muito mais alta.
Fiz até um tópico a respeito, quando decidi mudar de marca.
Fiquei na dúvida se usava ou não os cabos da marca italiana.
Acabei instalando e o carro está tinindo até hoje, passados vários anos.

Abs
Luiz Carlos
Monza GLS 2.0 -1994 EFI 2 portas - gasolina - prata argenta
Rio de Janeiro - RJ

Avatar do usuário
waldir
Membro 500EF (Ní­vel 9)
Mensagens: 3640
Registrado em: 18 Mai 2008, 09:19
Cidade: Campinas
Estado: São Paulo-SP
Modelo: Monza GLS
Motor: 2.0
Ano: 1995
Combustível:: Etanol
Injeção: EFi

Re: RESISTÊNCIA DOS CABOS DE VELAS E DAS VELAS DE IGNIÇÃO “ATUALIZAÇÃO”

Mensagem não lida por waldir »

MONZA - GLS 95 2.0 EFI - Alcool - Vermelho Goya

Avatar do usuário
Luiz Carlos (Rio)
Membro 500EF (Ní­vel 9)
Mensagens: 4041
Registrado em: 15 Dez 2006, 11:22
Cidade: Rio de Janeiro
Estado: Rio de Janeiro-RJ
Modelo: Monza GLS
Motor: 2.0
Ano: 1994
Combustível:: Gasolina
Injeção: EFi

Re: RESISTÊNCIA DOS CABOS DE VELAS E DAS VELAS DE IGNIÇÃO “ATUALIZAÇÃO”

Mensagem não lida por Luiz Carlos (Rio) »

É isso mesmo, Waldir.

Seu segundo link para msg minha mostrou um mistério. Como eu escrevi na época, outubro de 2011, eu havia devolvido os cabos.
No entanto, em agosto de 2013, instalei os cabos Magneti Marelli no Monza. Como pode ser isso? :lol:
Se eu tinha devolvido, como eles apareceram de novo aqui em casa?
Acho que eu deixei com meu filho para devolver ou trocar, o lojista não aceitou devolver, não tinha cabos de outra marca, e meu filho ficou sem saber qual material eu queria trocar.
Trouxe de volta o kit e esqueceu de me dizer. Ficou esquecido aqui até 2013, quando encontrei o danado e resolvi pagar para ver (não ia jogar fora os cabos e era tarde demais para tentar trocar por outra coisa) e instalei no Monza. Até hoje zero problemas.

Abs
Luiz Carlos
Monza GLS 2.0 -1994 EFI 2 portas - gasolina - prata argenta
Rio de Janeiro - RJ

Avatar do usuário
waldir
Membro 500EF (Ní­vel 9)
Mensagens: 3640
Registrado em: 18 Mai 2008, 09:19
Cidade: Campinas
Estado: São Paulo-SP
Modelo: Monza GLS
Motor: 2.0
Ano: 1995
Combustível:: Etanol
Injeção: EFi

Re: RESISTÊNCIA DOS CABOS DE VELAS E DAS VELAS DE IGNIÇÃO “ATUALIZAÇÃO”

Mensagem não lida por waldir »

Luiz Carlos,
obrigado por informar sobre a alta resistência que você encontrou nos cabos da Marelli.

Fui pesquisar mais fundo e fiz uma ressalva na matéria sobre a 'formação do par perfeito' cabos e velas no tocante à resistência objetivando 10K no total de cada.

Hoje 09.09.19 Corrigindo a bobagem que escrevi acima de formar um par de menor resistência. Pesquisando mais a fundo sobre a resistência dos cabos de velas, aprendi que a resistência normatizada pela NBR 6880 de 6,0 à 10 K ohms por metro é o mínimo aceitável para os cabos de velas e que deve conter possível 'vazamento' de alta tensão vindo da bobina de ignição até a temperatura de 150º C que poderia chegar próximo ao coletor de exaustão. Então a resistência do cabo entrega a tensão limpa vinda da bobina de ignição se não houver danos/ oxidação nos terminais e quebra no fio interno do cabo. Resumindo é resistência à fuga de tensão.

Abs
waldir
MONZA - GLS 95 2.0 EFI - Alcool - Vermelho Goya

Responder