FLUXO NO SUPORTE DA VÁLVULA TERMOSTÁTICA

Tem alguma dica sobre manutenção? Divulgue! Leia e mantenha seu Monza em dia!
Avatar do usuário
waldir
Membro 500EF (Ní­vel 9)
Mensagens: 3640
Registrado em: 18 Mai 2008, 09:19
Cidade: Campinas
Estado: São Paulo-SP
Modelo: Monza GLS
Motor: 2.0
Ano: 1995
Combustível:: Etanol
Injeção: EFi

FLUXO NO SUPORTE DA VÁLVULA TERMOSTÁTICA

Mensagem não lida por waldir »

Carlos Freire e Amigos,
Eu tinha pendente a dúvida (conf. coloquei aqui no forum tempos atrás) se as duas conexões do suporte da válvula se comunicavam no final. Sou meio São Tome´ :wink:

Então hoje precisei retirar o suporte da VT para trocar o anel de borracha que estava vazando e por sinal quebrei os
parafusos que seguram o suporte e vou ter que levar o cabeçote para extrair os dito cujos. Devo ter tirado sangue do parafuso
na ultima vez que os apertei e estou super contente com isso :( :oops: :mrgreen:

Então chequei o fluxo metendo uma mangueira com água na passagem 1 e com isto deu para perceber o porque da inversão das mangueiras (tantas vezes discutidas aqui no forum) prejudicam o aquecimento na fase fria.
Penso que (após uma segunda análise) na conexão 5 o fluxo é mais estrangulado devido caminho 1-3-4-5 passando pelo corrugado do aquecedor de ar quente e estrangulado mais uma vez pelo diâmetro menor da saída do radiador de AQ

Imagem

Informações editadas após uma segunda análise onde havia colocado que somente ao abrir a VT o fluxo era liberado até a conexão 5, o que não é verdade, devido a pressão da bomba d'água as conexões 2 e 5 são alimentadas ao mesmo tempo

Para quem tem Monza a Etanol e com o PTC - aquecedor do coletor de admissão percebe-se que entre 5 e 7 minutos em movimento, a temperatura do liquido de arrefecimento atinge 83ºC desligando o aquecedor e mais uns 5 minutos começa a abrir a VT e se faz sentir a partir daí o ar quente aquecido, isto é, se liberar na alavanca do painel. Se o AC estiver desligado a ventoinha entrará na 2ª velocidade aos 101ºC

Imagem

waldir
18.06.16
Editado pela última vez por waldir em 19 Jun 2016, 17:33, em um total de 1 vez.
MONZA - GLS 95 2.0 EFI - Alcool - Vermelho Goya

Avatar do usuário
Carlos A. Freire
MODERADOR
Mensagens: 17471
Registrado em: 18 Jan 2007, 11:06
Cidade: SAO PAULO
Estado: São Paulo-SP
Modelo: Monza GLS
Motor: 2.0
Ano: 1996
Combustível:: Gasolina
Injeção: EFi

Re: FLUXO NO SUPORTE DA VÁLVULA TERMOSTÁTICA

Mensagem não lida por Carlos A. Freire »

Está invertido. A posição 2 vai para o ar quente e fica tampada nos modelos sem ar quente e a 5 vai para o coletor de admissão.
Com a peça montada no cabeçote, a posição 2 fica para cima e essa é tampada ou vai para o radiador de ar quente.
Compare no CepChev, em termostato, que vai perceber o erro.

Esse mesmo erro cometeu no outro tópico ( http://www.forum.monzeiros.com/viewtopi ... 42#p417342 ), onde lá eu também alertei.


Abs,

Carlos Freire
Monza GLS 96 - 2.0 EFI gasolina
São Paulo-SP

Avatar do usuário
waldir
Membro 500EF (Ní­vel 9)
Mensagens: 3640
Registrado em: 18 Mai 2008, 09:19
Cidade: Campinas
Estado: São Paulo-SP
Modelo: Monza GLS
Motor: 2.0
Ano: 1995
Combustível:: Etanol
Injeção: EFi

Re: FLUXO NO SUPORTE DA VÁLVULA TERMOSTÁTICA - ALCOOL

Mensagem não lida por waldir »

Carlos,
o meu sistema deve ser diferente então porque está assim desde sempre.
Quando eu eliminei o ar quente eu conectei uma mangueira na outra, isto é, a que entra no ar quente na que sai do ar quente. Eu não coloquei tampão.

Com a VT colocada e jogando agua com a mangueira de jardim ela sai pela conexão 2 que é a que vai para o coletor de admissão e quando tirei a válvula eu injetei água pelo 'buraco' central e a água sai pela conexão 5 que vai para o radiador de ar quente.

No Monza a álcool "eu acho" que a montagem está correta por que precisa aquecer rapidamente o coletor para estabilizar a combustão devido a baixa evaporação do álcool em relação à gasolina. A segunda prioridade é o ar quente.

'Eu não vou pagar pra ver' invertendo a mangueira por que está funcionando perfeitamente do jeito que relatei e segundo por que apertar a abraçadeira com o carro somente no cavalete, ninguém merece.

Mais uma vez deixo o recado para os que estão lendo esta matéria: O Carlos Freire tem 'janela profissional' e eu somente 1/2 folha da janela como amador e fuçador de fim de semana. Dêem preferência ao que o Carlos está afirmando e compare no seu veículo à álcool e ou a gasolina. E de preferência deixe esse tipo de serviço à um profissional.

De minha parte eu acho que o desenho do CepChev está errado em relação ao motor a álcool.

Talvez este posicionamento da mangueira do coletor na conexão 2 justifique o por que dos 95 saírem da fábrica com o rabixo da resistência ligado a lugar nenhum porque o liquido quente do motor passa primeiramente pelo coletor de admissão e em 5 minutos estabiliza a combustão.
No Monza a gasolina independe de aquecimento do coletor na fase fria e que no alcool é ajudado na partida pela injeção da gasolina via relé .

Imagem
waldir
MONZA - GLS 95 2.0 EFI - Alcool - Vermelho Goya

Avatar do usuário
Carlos A. Freire
MODERADOR
Mensagens: 17471
Registrado em: 18 Jan 2007, 11:06
Cidade: SAO PAULO
Estado: São Paulo-SP
Modelo: Monza GLS
Motor: 2.0
Ano: 1996
Combustível:: Gasolina
Injeção: EFi

Re: FLUXO NO SUPORTE DA VÁLVULA TERMOSTÁTICA

Mensagem não lida por Carlos A. Freire »

Waldir, não há diferença entre Monza álcool e gasolina nesse aspecto.
Devo lembrar que o que coloquei aqui no fórum o caso do Monza Club 94, de um amigo que teve muito problema por conta dessa inversão. O carro com VT nova tinha problemas com super aquecimento.
O problema desse Monza álcool foi causado por mangueira invertida, ficou assim por muitos anos e muitas retifica de cabeçote, até descobrir que estava invertida.
Aqui no fórum, outros também passaram por esse problema e também verificaram que estava com essa mangueira invertida.
No caso desse Monza Club 94 álcool, não tem ar quente de fábrica. Usa o tampão nesse cavalete.
Se quer manter seu Monza de forma irregular ou errada, a escolha é sua. Mas temos de evitar de colocar informações erradas, já que aqui é uma fonte de informações para muita gente e, você tem ajudado muitos com suas informações e tutoriais.
Volto a repetir, não há diferença entre álcool e gasolina essa configuração de mangueira e o CepChev não está errado na vista explodida.
Monza GLS 96 - 2.0 EFI gasolina
São Paulo-SP

Avatar do usuário
waldir
Membro 500EF (Ní­vel 9)
Mensagens: 3640
Registrado em: 18 Mai 2008, 09:19
Cidade: Campinas
Estado: São Paulo-SP
Modelo: Monza GLS
Motor: 2.0
Ano: 1995
Combustível:: Etanol
Injeção: EFi

Re: FLUXO NO SUPORTE DA VÁLVULA TERMOSTÁTICA

Mensagem não lida por waldir »

Se quer manter seu Monza de forma irregular ou errada, a escolha é sua. Mas temos de evitar de colocar informações erradas, já que aqui é uma fonte de informações para muita gente e, você tem ajudado muitos com suas informações e tutoriais.
Pois então Carlos, fui analisar mais uma vez com maior critério o fluxo no suporte da válvula e encontrei o seguinte conforme abaixo.
Eu tirei fotos da água saindo mas como a minha máquina é antiga não consegui passar para o PC pq na instalação do Windows 10 acabei perdendo o driver da Kodak. Quando solucionar isto vou postar as fotos.

Concordo que a escolha é minha, mas o forum se destina à discussões e apresentar experimentos que deram ou não certos e fora isso eu tomei o cuidado de fazer a seguinte observação do meu tópico de origem: Mais uma vez deixo o recado para os que estão lendo esta matéria: O Carlos Freire tem 'janela profissional' e eu somente 1/2 folha da janela como amador e fuçador de fim de semana. Dêem preferência ao que o Carlos está afirmando e compare no seu veículo à álcool e ou a gasolina. E de preferência deixe esse tipo de serviço à um profissional.


Contudo, "eu entendo" se a moderação achar que essas informações só atrapalham e de nada ajudam na interação com os associados, a moderação é soberana para deletar a discussão, fotos, afirmações.

Imagem

waldir
MONZA - GLS 95 2.0 EFI - Alcool - Vermelho Goya

Avatar do usuário
jesuino b ferreira
Membro 500EF (Ní­vel 9)
Mensagens: 3066
Registrado em: 09 Ago 2011, 22:29
Cidade: goiania
Estado: Goiás-GO
Modelo: Monza SLE
Motor: 2.0
Ano: 1986
Combustível:: Etanol
Injeção: Carburador

Re: FLUXO NO SUPORTE DA VÁLVULA TERMOSTÁTICA

Mensagem não lida por jesuino b ferreira »

no meu carro e no de amigos,sempre esteve tampado a saida numero 02.
tanto faz o carro ser gasolina ou etanol.

carros sem ar,com ar nao me lembro :ok:

Avatar do usuário
Carlos A. Freire
MODERADOR
Mensagens: 17471
Registrado em: 18 Jan 2007, 11:06
Cidade: SAO PAULO
Estado: São Paulo-SP
Modelo: Monza GLS
Motor: 2.0
Ano: 1996
Combustível:: Gasolina
Injeção: EFi

Re: FLUXO NO SUPORTE DA VÁLVULA TERMOSTÁTICA

Mensagem não lida por Carlos A. Freire »

Quando eu eliminei o ar quente eu conectei uma mangueira na outra, isto é, a que entra no ar quente na que sai do ar quente. Eu não coloquei tampão.
Talvez por isso não não sentiu problemas por super aquecimento. Experimente colocar o tampão na saída 5 e tampar a entrada do cano de distribuição de água. Veja o que acontece e depois me fala.

No Monza Club 94 álcool e sem ar quente de fábrica do meu amigo, enquanto a VT estava ruim, não tinha problema. Após a troca da VT acontecia assim:
- Motor frio ligava normalmente e a temperatura subia até 110ºC abria a VT esfriava rapidamente e ficava normal, ventoinha ligando com 101ºC e desligando com 94ºC até que pegasse uma pista rápida e fechasse novamente a VT. Aí subia novamente até 110ºC e voltava ao normal.
Quando a temperatura subia para 110º piscava a luz de advertência de alta temperatura, que logo apagava pois a temperatura caia.

Esse carro queimou junta umas 3 vezes pelo menos que me lembro.
Levei muito tempo e várias manutenções a procura do que estava acontecendo. Foram trocadas muitas VT e voltava a que não estava boa para não ter o sintoma. Mas, por ser álcool, ficando muito frio em pistas de trânsito rápido causava problemas. Não entendia o que acontecia com esse carro até em uma manutenção preventiva no meu Monza o furo de passagem de cima me chamou a atenção. Se tem furo aqui tem algum motivo. Foi ai que peguei o Monza dele e conferimos a posição de mangueiras e local do tampão. Após perceber o erro, corrigimos, VT nova e problema solucionado. Está dessa forma até hoje.
O mesmo problema, usuários do fórum também passaram e não conseguiram resolver, até eu indicar esse ponto de mangueira invertida, onde também foi solucionado após a correção.

Veja aí em cima o relato do Jesuíno. Ele como nós (não sou profissional da área automotiva), faz muitas manutenção em Monza, nosso e de amigos.

Abs,

Carlos Freire
Monza GLS 96 - 2.0 EFI gasolina
São Paulo-SP

Avatar do usuário
waldir
Membro 500EF (Ní­vel 9)
Mensagens: 3640
Registrado em: 18 Mai 2008, 09:19
Cidade: Campinas
Estado: São Paulo-SP
Modelo: Monza GLS
Motor: 2.0
Ano: 1995
Combustível:: Etanol
Injeção: EFi

Re: FLUXO NO SUPORTE DA VÁLVULA TERMOSTÁTICA

Mensagem não lida por waldir »

Experimente colocar o tampão na saída 5 e tampar a entrada do cano de distribuição de água. Veja o que acontece e depois me fala.
Carlos, Jesuíno e Amigos, como eu disse em outra mensagem anterior aqui nesta página: 'Eu não vou pagar pra ver' invertendo a mangueira por que está funcionando perfeitamente do jeito que relatei e segundo por que apertar a abraçadeira com o carro somente no cavalete, ninguém merece.

Eu quero entender o porque isto ocorre. Fisicamente o Suporte da VT permite o fluxo ao mesmo tempo nas duas conexões 2 e 5 do croquis apresentado que à primeira vista parece ser um mito tampar a conexão 2.

Sendo repetitivo, a justificativa que encontro está fora do suporte da VT que entrega a mesma pressão nas conexões 2 e 5. O represamento pode estar na passagem pelo radiador do AQ, ou no circuito do tubo de distribuição (que é o retorno do liquido resfriado dos 2 radiadores sugados pela bomba para as galerias do bloco do motor.
MONZA - GLS 95 2.0 EFI - Alcool - Vermelho Goya

Responder